A taxa de câmbio e o seu papel na economia

O que é uma taxa de câmbio?

Uma moeda, seja ela o kwanza, o dólar ou uma outra qualquer, é considerada como sendo um bem. E, como qualquer um bem, ela tem um preço (i.e., a taxa de câmbio) que é determinado nos mercados de câmbios pela interacção da demanda dos compradores e a oferta dos vendedores. A taxa de câmbio é definida como sendo o preço de uma moeda em termos de outra. Por exemplo, $1 = Kz 167. Em outras palavras isso quer dizer que para se adquirir $1, precisamos disponibilizar Kz 167.

Qual é o papel da taxa de câmbio na economia real?

A taxa de câmbio é um dos preços mais importantes de qualquer economia, pois ela determina o poder de compra dos residentes com relação as importações. Geralmente, a capacidade de consumo de uma economia é determinada, entre outros factores, pela sua eficiência na produção e pela abundância dos seus recursos naturais e humanas. Um país não consegue produzir tudo que precisa para o consumo, portanto uma parte do que se consomem é importada. A taxa de câmbio determina a quantidade dos produtos a importar. Por exemplo, Angola não produz veículos automóveis, logo esses são importados da Alemanha, EUA, Japão, etc. A quantidade de veículos automóveis que os angolanos importam, para além de outros factores, depende do preço do kwanza relativamente às outras moedas. Do mesmo modo, as exportações de Angola para o resto do mundo, que geram divisas necessárias para as importações, são influenciadas pela taxa de câmbio do kwanza.

Como são determinadas as taxas de câmbio?

Como havia mencionado anteriormente, as taxas de câmbios são determinadas nos mercados de câmbio e dependem da interacão dos que compram com os que vendem as moedas. Se houver muita procura por uma moeda, o seu valor aumenta, e vice e versa. Mas é importante referir que nem sempre quando o valor de uma moeda for muito alto deve-se ao facto de houver muita procura por ela. Existem muitos outros factores que determinam o câmbio. Contudo, as taxas de câmbio estão sujeitas a oscilações ou variações constantes, o que compromete o volume de importações e exportações. Justamente pelo facto de as taxas de câmbios estarem sujeitas à variações constantes, alguns países preferem fixar o valor das suas moedas.

Porquê existem “Kinguilas” em Angola?

Em Angola observamos a existência de dois mercados de câmbios: de um lado temos o mercado oficial ou formal e do outro lado temos o mercado informal coloquialmente denominado Kinguilas. Os mercados de câmbio informais surgem na maior parte das vezes quando a livre interacção dos participantes do mercado é impedida pelo excesso de legislações. Por natureza, os mercados devem ser eficientes, mas o excesso de controlo aos mesmos cria uma descoordenação dos verdadeiros interesses dos seus participantes.
O que acontece com as importações e as exportações quando uma moeda ganha ou perde valor?
Quando o valor de uma moeda sobe diz-se que ela “valorizou-se” e quando o seu valor cai diz-se que a moeda “desvalorizou-se”. Como a taxa de câmbio trata-se de um preço relativo, se houver uma valorização cambial do dólar face ao kwanza, de modo equivalente o kwanza estará a desvalorizar-se face ao dólar. Uma desvalorização cambial tende a aumentar as exportações e diminuir as importações. De igual modo a valorização cambial diminui as exportações e aumenta as importações. Mas nenhum país quer importar mais do que exportar pois as importações devem ser pagas com as divisas angariadas nas exportações.

Como funciona o regime de câmbio fixo?

Quando um país decide fixar o valor da sua moeda em relação a uma outra moeda, diz-se que aquele país segue um regime de câmbio fixo. O regime de câmbio fixo é usado por muitos países, inclusivamente Angola. De acordo com a orientação da sua política monetária, o Banco Nacional de Angola (BNA) deverá estar disposto a comprar ou vender divisas à uma taxa previamente estabelecida de modos a defender o câmbio fixo. O regime de câmbio fixo é muito complexo e nem sempre fácil de gerir porque exige que as autoridades monetárias dispunham de quantidades suficientes de divisas para defender o câmbio pretendido em casos de ataques especulativos à moeda nacional.

Relacionados

9 Thoughts to “A taxa de câmbio e o seu papel na economia”

  1. Ezequiel Francisco

    Uma lição básica sobre taxa de câmbio e o seu papel da economia, porém bem explicativa e direccionada.

    Parabens Economista Miltom Delo

  2. Mario Nicodemos

    Muito bom

  3. João Amadeu Missí

    Muito boa tarde prezados Srs.
    Gostaria saber como posso aderir a impressão da tabela da taxas de cambios do dia de todos os bancos sem ir ao balcão?
    Por exemplo: A do banco BAI, BFA, Banco Económico BIC, Atlantico, BCI KEVE, BPC e outros bancos.

    1. Stélio Feijó

      Saudações prezado, pode fazer isso visitando o site de cada um destes bancos, os sites estão disponíveis em: http://bancosdeangola.co.ao/bancos/
      A médio prazo teremos aqui actualizados os câmbios dos principais bancos, não todos, pois alguns ainda não actualizam no website diariamente.

    2. João Domingos

      Bom dia senhor, preciso de uma ajuda, só estudante no curso de económica jurídica.

  4. Helena Marques

    -O que permite aos bancos comerciais usar taxas de cambio bem mais elevadas do que a estabelecida pelo BNA? E taxa de cambio diferentes para diversas operações dentro do mesmo banco comercial?

    1. João da Cruz Baptista de Andrade

      Com deve saber Helena Marques o negócio do Banco é dinheiro, nestes casos em concreto o banco comercial precisa ganhar dinheiro, daí as taxas de juros e taxas de câmbios dos bancos comercias serem superiores as taxa emanadas pelo Banco Central(BNA). Normalmente este percentual cobrado a mais pelos bancos comercial é definido pelo Banco Central. Por exemplo a LUIBOR 18%, o banco comercial adiciona uma spread de 2%, portanto o total de encargos a cobrar pelo banco comercial é de 20%, os 2% adicional representa o ganho do banco comercial.

      1. Altair Maia

        Bom dia Joao.
        Coloquei uma mensagem na sua pagina na U-EENI, sobre a internacionalizaçao de empresas.

  5. obrigado pelo esclarecimento

Deixar um comentário