O Portal Bancos de Angola

É um espaço informativo de divulgação e educação voltado ao sector bancário angolano, suas ofertas, promoções, entrevistas, matérias, cotações, etc. Não devendo ser interpretado como substituto das entidades reguladoras do sector financeiro.

Sucursais ganham peso nos activos internacionais dos bancos portugueses

1006246

 

Fonte: Publico.pt

 

Os activos locais das filiais e sucursais dos bancos portugueses no estrangeiro – depósitos, empréstimos e títulos – estão a aumentar o seu peso no conjunto dos activos internacionais das instituições. O supervisor passou a incluir no seu boletim mensal novas estatísticas que ajudam a caracterizar a exposição dos bancos aos riscos na sua actividade internacional.

No final do segundo trimestre deste ano, os activos locais dos bancos portugueses já representavam mais de metade do total (52%). Este valor, que diz respeito ao universo de activos com “risco de última instância”, tem vindo a aumentar ao longo dos últimos anos por causa da “importância relativa” da actividade das filiais dos bancos portugueses fora de portas, sobretudo em Angola, Moçambique, Espanha e Polónia.

Os dados dizem respeito apenas aos grupos bancários com sede em Portugal e os seus “braços” no estrangeiro (ficando de fora os bancos de outros países que estão presentes no mercado português). O objectivo passa por medir riscos externos – por exemplo, em relação a um empréstimo concedido por um banco português em que a contraparte desse activo (a entidade que garante o cumprimento do contrato) não é Portugal.

No caso de uma filial ou sucursal de um banco português, contam para as estatísticas os activos financeiros em que a contraparte é esse mesmo país ou um outro país estrangeiro.

Um caso concreto: as estatísticas têm em conta os empréstimos de uma sucursal de um banco português em Espanha se a contraparte desses activos estiver em Espanha ou França. No entanto, um activo já não é contabilizado para estas estatísticas se a sucursal do banco português em Espanha concede um empréstimo em que o país contraparte é Portugal.

Estes riscos são classificados de duas formas: riscos imediatos, quando a entidade que garante o contrato imediatamente é a mesma com a qual o banco celebrou o contrato; ou riscos de última instância, quando um terceiro interveniente garante o cumprimento do contrato (em substituição da entidade que, em primeira instância, é contraparte do contrato celebrado com o banco).

Segundo o supervisor liderado por Carlos Costa, o universo de activos internacionais classificados numa óptica de risco imediato era de 86.844 milhões de euros no final do segundo trimestre. Este valor reduziu-se em cerca de um terço face a valores registados em 2010, depois de se ter registado um aumento do valor da posição dos activos internacionais. “A evolução registada foi sobretudo determinada pela componente ‘activos externos e activos locais das sucursais e filiais em moeda estrangeira’, que é também a que tem o peso mais significativo no total” dos activos, sublinha o banco central.

Dos quase 87 mil milhões de euros de activos considerados de “risco imediato”, 43% referem-se a activos em que a contraparte é um país da zona euro, um valor equivalente a 37.535 milhões de euros.

Pela exposição a Angola e Moçambique, uma fatia importante de 19%, está nos PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa), o equivalente a 16.408 milhões de euros. E há 6% de activos internacionais em que a contraparte é um offshore. São 4987 mil milhões de euros. A percentagem é ligeiramente superior à dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), bloco que representa 5% do total (3920 mil milhões de euros).




Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Conteúdo Protegido !!