O Portal Bancos de Angola

É um espaço informativo de divulgação e educação voltado ao sector bancário angolano, suas ofertas, promoções, entrevistas, matérias, cotações, etc. Não devendo ser interpretado como substituto das entidades reguladoras do sector financeiro.

Citi desce preço alvo do BPI para 0,95 euros.

800

 

fonte: tvi24.iol.pt

Operação de Angola poderá surpreender pela negativa e paira incerteza sobre a direcção que o banco vai tomar, diz nota de análise

O Citi desceu o preço alvo que atribui ao BPI  em 17%, para 0,95 euros, incorporando uma subida do risco, alertando que a operação de Angola poderá surpreender pela negativa e que paira incerteza sobre a direcção que o banco vai tomar.

Os títulos do BPI caem 2,4% para 0,82 euros.

“Enquanto Portugal oferece potencial de ‘upside’, Angola poderá surpreender pela negativa”, afirmou o Citi, numa nota de análise.

“Além disso, a recente proposta do CaixaBank e a reacção de alguns dos outros accionistas do BPI introduziu incerteza em torno da direcção futura do banco”.

Em Junho, o espanhol Caixabank, maior accionista do BPI, com 44,1% do capital, desistiu de uma oferta sobre o banco, após os acionistas terem chumbado uma proposta para acabar com o limite de 20% para o exercício dos direitos de voto, que era uma pré-condição do negócio.

Aquela Oferta Pública de Aquisição, lançada em fevereiro, contou, desde a primeira hora, com a oposição da empresária angolana Isabel dos Santos, que é a segunda maior accionista com 18,6 pct do BPI e que propôs uma fusão do BPI com o BCP.

“O maior risco para o nosso preço alvo é a relação ‘não estabilizada’ entre os dois maiores accionistas”, vincou o Citi.

O Caixa Bank, que controla o BPI, admite estudar a compra do Novo Banco, se um novo processo de venda for lançado até ao final do ano, com mais segurança sobre as necessidades de capital da instituição, revelou o Diário Económico.

O Citi sublinhou os riscos potenciais associados à correcção no mercado de matérias-primas, uma subida do prémio de risco soberano de Portugal e Angola.

“O banco poderá ter de diminuir a sua grande exposição a Angola”, referiu o Citi.

Em Agosto, o BPI disse que contratou dois bancos de investimento internacionais para estudar opções para reduzir a exposição do grupo ao mercado angolano, exigida pelo Banco Central Europeu, mas negou que estivesse vendedor da subsidiária Banco Fomento Angola (BFA), onde detém 50,1%.




Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Website Protected by Spam Master


error: Conteúdo Protegido !!