Autoridades angolanas e representantes do sistema financeiro nacional não param na sua ronda de contactos com instituições norte-americanas e europeias. Ontem, Terça-feira, o governador do BNA, Valter Filipe, à frente de uma delegação de peso, encontrou-se a Associação de Bancos e Reguladores Americanos (ABA).

O Governador do BNA, Valter Filipe, a vice-governadora, Suzana Monteiro e gestores das áreas de supervisão e regulação do banco central e representantes dos principais bancos nacionais, incluindo a associação representativa do sector, a Abanc, reuniram-se ontem, em Washington, com a Associação de Bancos e Reguladores Americanos (ABA) e com instituições financeiras do primeiro escalão da banca norteamericana, como é o caso do Bank of América, EXIM, United Bank, World Bank, TedBank, Orchard Wealth and Legacy Management, Citibank e Capital One.

O objectivo da mesa redonda foi apresentar o plano de adequação do sistema financeiro angolano às normas prudenciais e boas práticas internacionais, mostrando os avanços efectuados para ir ao encontro das normas de regulação, actualmente mais apertadas, vigentes tanto nos Estados Unidos como na Europa.

Intervenções da associação de bancos norte americanos, da unidade de informação financeira, bancos comerciais angolanos e americanos dominaram o encontro, que se centrou no aprimoramento ao combate ao branqueamento de capitais e financiamento ao terrorismo, a supervisão comportamental e prudencial, tecnologias de informação, formação de recursos humanos e o compliance’, tendo ficado sinalizado a assinatura de um memorando de entendimento entre as respectivas associações bancárias.

O Banco Nacional de Angola está a trabalhar de igual modo com o Reserve Bank da África do Sul e o Banco de Portugal, assim como com o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial.

Credibilidade

Trata-se de uma frente ampla nacional, envolvendo o BNA e a banca nacional, a que está a actuar nos centros financeiros mundiais, no sentido de trazer credibilidade ao sistema financeiro nacional, desbloqueando o problema que hoje se coloca nas relações com os bancos correspondentes.

Constam ainda da agenda do Banco Nacional de Angola, encontros com o Departamento de Estado, Departamento de Justiça e o Departamento do Tesouro. O encontro desta Terça-feira, em Washington, com a Associação de Bancos e Reguladores norte-americanos e grandes instituições financeiras dos Estados Unidos, contou com a presença do embaixador de Angola nos EUA e da directora executiva angolana da 25ª Constituência do Banco Mundial.

BNA vende mais divisas

O Banco Nacional de Angola (BNA) voltou a aumentar, na última semana, o volume de divisas vendidas à banca comercial. Com efeito, o BNA realizou vendas de divisas no mercado primário no montante de € 328,1, mais cerca de 28% que na semana anterior. Em regime de leilão de preço foram vendidos € 35,8 milhões destinados ao sector petrolífero.

A cobertura do sector da indústria (€ 79,6 milhões), a cobertura de operações com bens alimentares (€ 73 milhões) absorveram, em termos relativos, as maiores fatias, seguindo-se a cobertura de operações com cartões de crédito (€ 27 milhões), de operações de empresas diversas, as relacionadas com as cartas de crédito e com as operações de ministérios e organismos de Estado.