O Portal Bancos de Angola

É um espaço informativo de divulgação e educação voltado ao sector bancário angolano, suas ofertas, promoções, entrevistas, matérias, cotações, etc. Não devendo ser interpretado como substituto das entidades reguladoras do sector financeiro.

Bancos angolanos com mínimos históricos de dólares disponíveis.

ng5753122

Fonte: DN Dinheiro

 

Há pouco mais de um ano, a injeção de divisas no mercado angolano ultrapassava normalmente os 2.000 milhões de dólares por mês

A venda de divisas à banca comercial angolana continua em mínimos de anos, tendo ascendido na última semana a 55,5 milhões de dólares, menos 70 por cento face à anterior, segundo dados do Banco Nacional de Angola.

A informação consta do relatório semanal do banco central sobre a evolução dos mercados monetário e cambial, ao qual a agência Lusa teve hoje acesso, relativamente à venda de divisas entre 18 e 22 de janeiro.

Nas semanas anteriores de janeiro, o Banco Nacional de Angola (BNA) injetou nos bancos angolanos 330 milhões de dólares (305 milhões de euros), somando-se 55,5 milhões de dólares (51 milhões de euros) na última semana, valores historicamente baixos, devido à crise financeira, económica e cambial que Angola atravessa.

As vendas na última semana foram concretizadas a uma taxa de câmbio média de 156,388 kwanzas (93 cêntimos) por cada dólar, inalterada face à semana anterior.

Há pouco mais de um ano, a injeção de divisas no mercado angolano ultrapassava normalmente os 2.000 milhões de dólares por mês.

Paralelamente, devido à escassez de divisas e limitações aos levantamentos impostas nos bancos, o mercado informal, de rua, já transaciona a nota de um dólar a mais de 350 kwanza.

Segundo o BNA, a venda de divisas na última semana correspondeu a 45,5 milhões de dólares (42,1 milhões de euros) em leilão de preço “para cobertura de necessidades gerais dos bancos comerciais”, somando-se dez milhões de dólares (9,2 milhões de euros) para garantir operações de viagens e remessas de dinheiro ao exterior do país “de natureza de ajuda familiar”.

A crise angolana resulta da redução de receitas fiscais do petróleo, e por consequência cambial, devido à redução da entrada de divisas no país, necessárias para garantir as importações de máquinas, matéria-prima e alimentos.

Persiste a forte redução da disponibilidade de moeda estrangeira no país, sendo o montante vendido aos bancos limitado às necessidades mais urgentes do sistema bancário e que obrigam a autorização do banco central.

Alguns bancos angolanos limitaram a venda de divisas a clientes a um máximo de 1.000 dólares (926 euros) por semana e bancos norte-americanos têm vindo a anunciar a suspensão de venda de dólares a Angola.

A falta de divisas, em função da procura, continua a dificultar, por exemplo, as necessidades dos cidadãos que precisam de fazer transferências para o pagamento de serviços médicos ou de educação no exterior do país ou que viajam para o estrangeiro.




Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Conteúdo Protegido !!