BAI, SOL e Caixa de Angola admitiram pubicamente atrasos no envio dos seus mapas de operações cambiais. Fonte de OPAÍS revela que o BNA pretende agravar o valor das multas face a futuras irregularidades.

O BAI, SOL e Caixa de Angola, três das instituições financeiras bancárias sancionadas pelo Banco Nacional de Angola por incumprimento de normas relativas à obrigatoriedade do dever de informação sobre as operações cambiais por executar” e “executadas” informaram em comunicado, sem desmentir, as razões que estiveram na base da multa do banco central.

O BAI , o primeiro banco a reagir ao comunicado do BNA, informou que foi sancionado por atrasos na prestação de algumas informações, como um atraso de 4 dias no envio do mapa de necessidades referente ao dia 27 de Maio de 2016, que resultou numa multa no valor de Kz 277. mil. O Caixa Angola refere no seu comunicado que na origem do “processo de transgressão” que lhe foi instaurado esteve um atraso de 02 dias no envio do mapa de operações executadas em  moeda estrangeira, referente ao Leilão n.º20 do dia 10 de Junho de 2016, resultando numa multa do BNA no valor de Kz 138 mil.

Por sua vez, o Banco Sol informou que foi sancionado por atraso de 2 dias no envio do mapa de operações executadas referente ao leilão nº 19, que resultou numa multa no valor de Kz 138 mil e por atraso de 2 dias no envio do mapa de operações executadas referente ao leilão nº 20, que resultou numa multa no valor de Kz 138 mil. Por seu turno, o Banco Atlântico informa que foi sancionado pelo BNA devido ao atraso de dois dias no envio dos mapas de operações executadas relativos aos leilões nº 19 e nº 20, ocorridos em Maio. “Por esse atraso foram aplicadas ao Atlântico duas multas no valor de 138,888,88, cada”, refere uma nota do banco.