O Portal Bancos de Angola

É um espaço informativo de divulgação e educação voltado ao sector bancário angolano, suas ofertas, promoções, entrevistas, matérias, cotações, etc. Não devendo ser interpretado como substituto das entidades reguladoras do sector financeiro.

Alguns bancos metem entraves na concessão de crédito automóvel

Bancos travam crédito automóvel 

fonte:ANGONOTICIAS
 Quem pede dinheiro a um banco para comprar uma viatura tem tido dificuldades. Face à crise, alguns bancos e concessionárias estão a deixar de dar créditos. O banco suporta 90 por cento do valor total da viatura, mas aplica taxas de juros que encarecem o carro, quase para o dobro.

Uma opção para quem quer carro próprio é o crédito à banca ou à concessionária. Uma prática que, aos poucos, se vai perdendo, porque as exigências, tanto dos bancos como das concessionárias afugentam os interessados. Com a crise financeira, tudo se tornou mais difícil porque vários bancos, até os mais renomados, deixaram de dar crédito automóvel: no caso, os bancos de Poupança e Crédito (BPC) e o Banco Angolano de Investimento (BAI), bem como as concessionárias Consórcio Mwangolé, as Organizações Chana e Santos Bikuku. Este último deixou de funcionar em Luanda.
No ano passado, o presidente do Conselho de Administração do BPC, instituição do Estado, Paixão Júnior anunciou a suspensão temporária dos serviços de crédito a particulares e a empresas e que até agora prevalece: não há empréstimos para ninguém, quem quiser deve aguardar. O BAI também não está a conceder créditos, cancelou há um ano. A informação disponível, nos balcões, é que face a actual conjuntura económica a instituição decidiu fazer um reajuste no sistema de empréstimos, mas poderá retomar em breve.
Em Angola, existem várias empresas, nacionais e estrangeiras, viradas para a venda de viaturas, as chamadas concessionárias. Umas colaboram com os bancos, sobretudo na concepção de créditos, enquanto outras se limitam em fazer acordos com o cliente, sem recorrer ao banco. Face à crise, muitas destas empresas também já não estão a dar créditos automóvel. São os casos do Consórcio Nacional Mwangolê (uma sociedade de direito angolano em parceria com empresários brasileiros) e as Organizações Chanas, ambas vocacionadas para facilitar as compras. As duas deixaram de fornecer viaturas por via de empréstimos.
Há quem empreste, mas paga-se mais
Apesar dos ‘recuos’ de alguns bancos, ainda é possível pedir um empréstimo a um banco para a compra de automóvel. O BFA, o banco Millennium Angola, o BIC, a Caixa Angola e o Standardbank mantêm firme a disponibilidade de crédito automóvel, desde que seja numa concessionária devidamente reconhecida pelo banco.
Há ligeiras diferenças entre as taxas de juros cobradas. Por exemplo, o BFA cobra 12 por cento e o BIC, 17 por cento. Quem tem um salário/base de 100.000 kwanzas no BIC e pretende uma viatura de dois milhões de kwanzas, paga na entrada 10 por cento. O banco empresta os restantes 90 por cento do valor total. O reembolso mensal é de cerca de 75 mil kwanzas, que devem ser pagos em três anos. No final de tudo, a viatura fica em dois milhões e 700 mil kwanzas.
Já no BFA, com o mesmo salário, e para um valor da viatura de um milhão e oitocentos mil kwanzas, o reembolso mensal é mais reduzido: 40 mil kwanzas, que terá de ser pago em cinco anos. O cliente entra com 10 por cento e o banco com os restantes 90 por cento. No final, o carro fica em dois milhões e 400 mil kwanzas, quase o dobro do empréstimo.
Como chegar ao empréstimo
O interessado deve ter uma conta e o salário domiciliado no banco em que é solicitado. E tem de apresentar um conjunto de documentos:
•Factura pró-forma da viatura (adquirida numa concessionária bem identificada)
•Carta dirigida ao banco (em que consta o valor desejado e o período de reembolso)
•Declaração de serviço (regime contratual, função que exerce e salário-base)
•Cópia do B.I e do cartão de contribuinte
•Três últimos recibos de salário
•Um avalista, para alguns bancos, que deve, por norma, ser cliente do mesmo banco.
Depois de reunir a documentação toda, o requerente deve dirigir-se a uma dependência e fazer a entrega.
O banco, por sua vez, analisa e determina a entrega ou não do empréstimo.




Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Website Protected by Spam Master


error: Conteúdo Protegido !!